Romper Limites com as Palavras   

romperlimitsQuais foram os vários pensamentos que bailaram hoje na sua mente? Quais deles iniciaram com “devo” ou “tenho”? Quais as frases que começaram por: “eu não quero”? “Eu não quero continuar com esta vida”, “tenho e devo continuar neste emprego”, ou ainda “não dá para aguentar tanta pressão”.

Aprendemos muito cedo aquelas palavras e frases, que vão sendo parte do nosso dia-a-dia. Palavras como “não”, “devo”, “tenho” ou “não quero”, embora compostas de apenas algumas letras, têm um grande impacto na nossa vida, podendo até nos condicionar.

Não pense no elefante cor-de-rosa….. já pensou, mesmo querendo evitar de pensar!

Existe um interessante pensamento de Mahatma Gandhi, que refere:

Mantenha seus pensamentos positivos, porque seus pensamentos tornam-se suas palavras. Mantenha suas palavras positivas, porque suas palavras tornam-se suas atitudes. Mantenha suas atitudes positivas, porque suas atitudes tornam-se seus hábitos. Mantenha seus hábitos positivos, porque seus hábitos tornam-se seus valores. Mantenha seus valores positivos, porque seus valores…Tornam-se seu destino.”

Fonte:  (https://pt.wikiquote.org/wiki/Pensamento_positivo citado em “Middletown Roots: Featuring the Exciting‎” – página 304, Melvia F. Miller – iUniverse, 2002)

Este pensamento nos inspira a reflectir, como as palavras podem servir de ponte para criar diferentes atitudes. As atitudes diferentes nos ajudam a romper com limitações, a mudar para melhor, a gerar novos hábitos que nos façam sentir mais satisfeitos. Pessoas mais satisfeitas são pessoas mais felizes.

Para compreender como os pensamentos influenciam directamente nas nossas atitudes e comportamentos, partilho este simples exemplo. Quando um atleta acredita que pode conquistar uma medalha de ouro, ele pensa: “posso ir mais longe” ou “quero ultrapassar o tempo recorde” ou ainda “quero ganhar a medalha de ouro”. Caso pensasse: “não quero chegar em 2º lugar”, ou ainda “não quero perder”, as suas palavras seriam um obstáculo ao que ele deseja conquistar. Ou seja, o atleta é treinado para se focar no que quer, no que gosta de fazer e no que se sente motivado. O atleta não se foca no que não quer.

Mas, no grande repertório de conversas e pensamentos que temos diariamente, como as palavras mencionadas nos influenciam e limitam?

Existem algumas perguntas simples e poderosas no coaching, que pode o/a ajudar, quando inicia uma frase por “não quero continuar neste trabalho, país ou relação”, que são:

  • O que eu quero?
  • O que é importante para mim na relação/ou/ no meu trabalho?
  • Se as oportunidades fossem ilimitadas, o que eu faria?

Frases que a pessoa inicia por “Quero”, “Escolho”, “Posso”, “Vou” ou “Descubro” trazem mais poder a sua pessoa. São palavras que trazem consigo decisão, acção e escolha desejada.

Por exemplo: “Eu quero encontrar um novo emprego”; “Eu escolho nos próximos 6 meses manter a minha empresa…”, “Eu posso mudar de país e quero ir para o Canadá” ou incluso “quero descobrir novas formas de ser feliz”. Estas frases trazem em si poder.

Ao contrário, as frases que iniciam “devo”, “preciso” e “tenho”, passam o controlo e a responsabilidade para o exterior, como por exemplo, “Eu tenho que deixar de fumar”, que por vezes, está implícito “porque dizem que faz mal fumar”. Também aquelas palavras trazem em si limitação e incapacidade, como por exemplo, “Eu tenho que continuar nesta relação”.

Essa limitação, muitas vezes, está relacionada com insegurança ou medo. Para o ajudar, reflicta na seguinte questão:

O que me impede de enfrentar o medo de mudar de país, relação ou profissão?

Após reflectir, escreva a frase que deseja usando “quero”, “escolho” ou “posso”. Depois, leia a frase em voz alta, e verifique como se sente. Irá constatar que esta pequena mudança dá-lhe mais força e controlo da situação. Afinal, as escolhas que fazemos na nossa vida, são parte da nossa responsabilidade.

© MORE Institut Ltd.
Autor: Karina Milheiros
Master Trainer Coach, Sénior Coach, Master Trainer PNL, Presidente da IHCOS, IN, ICI, Vice-Presidente da ECA.
Newsletter Outubro e Novembro 2012

 

Leave a Reply