O que os líderes podem aprender com formigas e elefantes?

Durante as suas férias, talvez, tenha observado a natureza e reflectido sobre a mesma. Poderá ter sido num Domingo e ter admirado o voo dos pássaros, ou as ondas do mar, ou mesmo alguns insectos como a formiga.

Acredito que tenha conhecimento que cada vez mais, os animais e insectos são alvo de investigadores de vários ramos das ciências. A observação dos animais e insectos, têm vindo a contribuir para o desenvolvimento da alta tecnologia de muitos aparelhos e máquinas que usamos. Não somente no passado a observação dos pássaros ajudou a criação do avião, mas também, no presente, investigadores observam o comportamento desta espécie. Um desses investigadores, Shaker Meguid, após observar a águia e do andorinhão-preto, desenvolveu uma nova estrutura de asas para aviões, com redução de consumo de combustível, poupança de tempo, redução de ruído e poluição emitida durante a descolagem e mais segurança no voo.elephant

Este é apenas um exemplo entre muitos, sobre quanto os cientistas compreendem que podem aprender com a natureza que nos rodeia. A observação do comportamento das diferentes espécies animal tem contribuído para a compreensão da espécie em si, como também, do nosso comportamento humano. É longa a nossa relação, incluso usam-se animais para testar medicamentos, verificar comportamentos, antes da aplicação em humanos.

Uma espécie nos insectos de grande interesse para os cientistas, por diversas peculiaridades no seu comportamento, é a formiga. Foi descoberto que <<<mais>>>as formigas da espécie temnothorax albipennis, são verdadeiras mestres, instrutoras e líderes através da técnica “tandem-runing”. Os cientistas Nigel Franks e Tom Richardson da Universidade Bristol, em Grã-bretanha, referiram que esta espécie ensina as semelhantes como encontrar uma nova fonte de alimento. As formigas líderes que seguem a frente, mostram o caminho para as outras formigas em direcção ao objectivo – adquirir comida. Elas ao aperceberem-se que existem formigas motivadas, porém lentas na marcha, as líderes retardam a sua cadência para poder passar a informação que possuem sobre o objectivo e como atingi-lo. Os aprendizes respondem com as suas antenas tocando nas pernas ou no abdómen do líder, a referir que a informação foi compreendida e assimilada. As formigas líderes ao transferir esta informação arriscam-se a serem um petisco para os predadores, e decrescem 4 vezes no ritmo da velocidade em que atingiriam o seu objectivo alimentar. Contudo, pensam nos benefícios: mais colaboradores que a apoiam a cumprirem a árdua tarefa de procurar por comida, e posteriormente estes estagiários, serão instrutores e líderes de outros aprendizes, o que resulta na poupança de tempo devido a economia de fluxos de informação.

Em artigos de revistas, conferências, cursos, feiras de recursos humanos e outros momentos de troca de informação e formação, provavelmente tenha ouvido falar na liderança, no papel do líder, no ideal em gestão dos colaboradores e conceitos sumptuosos que são válidos até uma nova “onda” com novos conceitos aparecer. Por vezes, conceitos deixam-nos distantes de um processo simples, a um processo da natureza, incluso humano, da luta da espécie. Ao retornar a observar o sucesso das espécies na natureza, ao fazer um “Benchmarking animal”, poderá está a perguntar, O que poderá como líder aprender com a formiga?

A qualquer altura e ainda mais em tempo da chamada “crise”, todos lutam pela sobrevivência e manutenção de si e do que é a empresa, por consequência, a fonte de “alimento”. Todavia, diferente das formigas, gestores envolvem-se na luta da manutenção do seu próprio lugar, ou na luta feroz com a concorrência, porque não deseja ser o “petisco”, e postpone o que é principal ou mesmo sobrecarrega o melhor da empresa – os aprendizes colaboradores. Estes são os que seguem na fila, por vezes perdidos, porque não sabem realmente onde está o caminho para chegar a comida, e nem qual é realmente o objectivo. Na maratona financeira, quem realmente abranda o passo para ensinar a quem pode apoiar o líder a atingir o objectivo? Quantos são os gestores que realmente partilham poder e tempo, com outros aprendizes, para que nos seus momentos de cansaço na caminhada, ou na defesa da equipa, possa ser um “formigueiro sólido”, ao invés de desmoronar áreas da empresa? O tempo é usado para um fluxo de informações sobre revenue, concorrência, repport, payback, e as self-management formigas, que não sabem o que fazer com as suas antenas.

A própria economia nos tem ensinado, que na crise, somente com o esforço se pode crescer, e foram as diversas formigas cidadãs que através de investimento e impostos, puderam apoiar empresas a não encerrarem após o ocorrido nos E.U.A. neste último ano. Porém, muitas empresas esqueceram de partilhar objectivos, de abrandar o crescimento por fortalecimento da fila, porque ao contrário da espécie formiga, o lucro a curto prazo é mais desejado que a longo termo. A comida a curto prazo, as próprias formigas aprenderam, que não apresenta resultados para a propagação da espécie. Talvez possamos aprender a lição de pensar a longo termo, para ajudar ao nosso e de muitos outros, postos de trabalho.

A gestão da empresa, que todos sabemos que se realiza pela gestão de pessoas, é a gestão da formiga na longa fila de formigas rumo ao objectivo. É a capacidade em parar, apoiar, partilhar, manter a motivação, para que toda a fila continue e prospere. A formiga não pensa apenas nela, mas a nível colectivo. O líder é aquele que gere uma empresa, como um organismo vivo numa colectividade. Caso outro líder o suceda, a fila sabe continuar rumo ao objectivo, a espécie sobrevive a crise, funciona como um sistema, e não auto aniquila-se.

Podemos também aprender como seleccionar líderes, seja na política, seja na empresa com o elefante. Com um período de vida entre 60-70 anos, são conhecidos por uma das redes sociais melhor articulada no reino animal, como também força, inteligência e “personalidade”. O investigador George Wittemyerg da Universidade de Califórnia constatou a interessante forma de comunicação e liderança dos paquidermes. Os elefantes estão em permanente deliberação de decisão, quer no caminho a percorrer, na alimentação, como na segurança da espécie. Nem sempre existe consenso, porque todas as opiniões são importantes. Quando após discussão isso acontece, a matriarca líder dá a última palavra, para um acordo. As fêmeas líderes, em geral mais velhas, não são escolhidas pela idade, mas antes pelo facto de provar serem dignas do cargo de liderança. Os líderes são escolhidos de acordo a um conjunto de critérios, tais como, capacidade de comunicação, relação social, habilidade em resolver situações socialmente difíceis, o comando através do respeito dos seus congéneres, e deve provar em crise, que possui sabedoria, coragem e táctica para superar tal momento.

As eleitas, que possuem melhor comida e abrigo para dormir, em contrapartida são as que possuem maiores responsabilidades, sendo elas que perante um grupo de predadores, ou um conflito com outro grupo de elefantes, se posicionam a frente, podendo significar a morte ou ser ferida.

Talvez possamos aprender como escolher líderes com os elefantes. Enquanto a crise é uma condição sine qua non da selecção do líder, a nossa sociedade, brinda as excepções que vencem a crise. Em tempo de crise, a líder elefante assume a responsabilidade, e procura sabiamente uma solução, usa a coragem aliada a táctica, para sair do problema e a diplomacia para mover todo o grupo a quilómetros de distância. Quantos gestores partilham as dificuldades e sua táctica, para conseguir a cooperação e focam-se em soluções, ao invés, dos problemas? Quantos gestores despendem colaboradores, sem passar essa árdua tarefa ao departamento de recursos humanos? Quantas empresas estabelecem como parte da política e missão, manter o sistema consciente que é um todo, e a “morte” de um elemento prejudica a “espécie”?

Mais uma vez é a sobrevivência de todo um sistema. A preservação do sistema é também conhecido como motivação. Um líder sábio, respeitado e que partilha tem como resposta adesão do grupo, tal como os paquidermes. A motivação, talvez esteja muitas vezes associada a comandar por benefícios monetários, vouchers ou divertimento, sendo um simples exercício de valores. O que é importante para quem eu lidero? Amparar num momento difícil o subordinado mostra-se mais importante do que oferecer um jantar e uma palmada nas costas. Os benefícios irão manter os colaboradores por algum tempo, curto prazo, enquanto os valores a longo prazo.

Portanto, quando o maior inimigo do elefante é o próprio ser humano, e quando o elefante representa a memória da ecologia do planeta, que está em risco de extinção, talvez andamos a dar tiros nos próprios pés. O shift na liderança deste século, não é ser líder, mas viver a liderança como missão de vida.

 

© MORE Institut Ltd.
Autor: Karina Milheiros
Master Trainer Coach, Sénior Coach, Master Trainer PNL, Presidente da IHCOS, IN, ICI, Vice-Presidente da ECA.
Artigo para a revista RH – Recursos Humanos em Outubro de 2009

 

 

Leave a Reply