Tempo do Ocaso: o Outono da Vida.

Mais um ciclo se completa e outro se inicia na natureza e na vida. É Outono (para aqueles que residem no hemisfério Sul, é primavera). As cores outonais, vibrantes e quentes, nos recordam um verão acabado de sair…um verão de noites longas, de convivência, de férias, uma estação onde as nossas atenções estão centradas no outro, no ambiente, na diversão. Eis que o Outono chega, trazendo no seu dorso o frio das noites e os dias ensolarados, que nos faz recolher, e nos incute a primeira mudança – olhar para dentro, para o EU, para o Self. É o tempo de centrar a sua atenção no seu Eu. Como você se mostra ao mundo? Como se percepciona, no que tange a forma de como se relaciona com o outro?

A segunda e a terceira mudança que o tempus autumnus nos traz com seus fortes ventos, é a força inabalável do tronco e o adeus às folhas. Quantas vezes foi sacudido pelos eventos da sua vida, e conseguiu estar firme? É importante olhar para trás e dignificar o que atravessou, os momentos difíceis em que se desesperou, que pensou em desistir mas continuou, que caiu e se levantou. E nessas ventanias e sacolejos da vida, coisas e pessoas se foram… perdas sofridas, partidas indesejadas, e desapegos forçados. Mas as árvores frondosas deixam suas folhas deslizar suavemente nos braços do vento, no embalo do raio do sol, num adeus sem apego, sem remorso, e nos convida a confiar, a libertar. O que tenho de deixar partir que já não serve mais? Quem tenho de libertar para criar espaço para outra pessoa? Como é o meu nível de autoconfiança, e de confiança no amanhã? A árvore desprende-se das folhas, sabendo que as tem de libertar para viver, confiante que virá o tempo de novamente desabrochar. Deixar as folhas partirem, é diminuir o peso da sobrecarga de gelo e neve que se acumularia nas folhas, e quebraria os seus membros. Essa adaptação sábia da árvore para com aquilo que não pode lutar contra, lhe permite armazenar a maior parte da sua seiva em seu sistema radicular no subsolo, fora do alcance da pegada gelada do inverno. Quantas dores, mágoas, culpas, ressentimentos, carregadas ano após ano, leva-o a estar preso ao que já terminou, a insistir manter no presente uma situação que aconteceu no passado, ao que queria que fosse diferente e não foi. Toda essa seiva emocional poderia servir-lhe de energia para um virar de página, para uma vida mais satisfatória, para um corpo e mente mais nutrido, para uma raiz mais sólida, sem estar partido aos bocados, no risco de tornar-se frio, de pintar de cinza a realidade, de tornar um inverno a sua vida.

Sabiamente o equinócio pauta a atmosfera do Outono, nos dando o equilíbrio em 12 horas de escuridão e 12 horas de luz, permitindo olharmos o nosso lado sombra para descobrirmos o que mudar, o que deixar, o que semear diferente na próxima primavera, e nutrir, contemplar, e dignificar o nosso lado luz.

Aproveite o tempo do ocaso, para encerrar um ciclo e iniciar um novo. Repare que “o outono é mais estação da alma que da natureza” (citação Carlos Drummond de Andrade).

Autoria: Karina M. Kimmig

 

• Ajude mais pessoas a saberem sobre esse assunto – Compartilhe! Facebook | Twitter 
• Faça um comentário sobre este artigo – será muito bom interagir consigo aqui: Facebook | Twitter 
• Compartilhe-o nas redes sociais.

 

© MORE Institute GmbH.
Autora dos 7 Poderes para se Tornar o seu Próprio Mestre: Karina M. Kimmig
Humanistic Coach Master Trainer-IHCOS®
Presidente internacional da IHCOS, Vice-Presidente da ECA, Embaixadora da ICI e IN
Em MOREletter, 01.10. 2018